entre em contacto!
Filtrar por resultados...
Melhorar a Tomada de Decisão
Aumentar o Trabalho em Equipa
Melhorar a Produtividade
Melhorar a fiabilidade
Melhore a operabilidade
Melhorar a manutibilidade
Aumentar a Segurança
Aumentar as condições para inspecção
Melhorar as condições ambientais
Reduzir Inventário
Reduzir utilização de Papel
Reduzir Custos
Reduzir Risco
Resolver Problemas
Reduzir a Variação
Reduzir Desperdício
Reduzir Tempo de Paragem
Optimizar o uso de recursos
Cumprir Prazos
Garantir Conformidade
Definir e optimizar o posto de trabalho
Reduzir o tempo de mudança de ferramenta
Reliability Management

Qual a vantagem da gestão da fiabilidade?

A gestão da fiabilidade suporta a otimização da fiabilidade do ativo, considerando o desenvolvimento de novos equipamentos, com aplicação do Design for ROMSI, a criticidade e a condição dos ativos, utilizando as ferramentas e técnicas mais apropriadas para suportar o desenvolvimento e a revisão dos planos de manutenção.

A engenharia de fiabilidade integra o estudo, a avaliação e a gestão do ciclo de vida da fiabilidade: a capacidade de um sistema ou componente de executar as funções necessárias sob condições estabelecidas por um período de tempo especificado.

O que é o Design for ROMSI? 

O design para ROMSI é um processo que engloba ferramentas e procedimentos para garantir que um ativo atenda aos requisitos de fiabilidade, operabilidade, capacidade de manutenção, segurança e inspeção, no seu ambiente de uso, durante toda a sua vida útil. 

O DfROMSI é implementado na fase de projeto de um ativo para melhorar proactivamente a fiabilidade, operacionalidade, facilidade de manutenção, segurança e condições de inspeção. Projetar equipamentos e instalações confiáveis requer avaliação de risco, conhecimento claro do contexto operacional, envolvimento das operações, especialistas em manutenção e engenharia, e um foco na otimização do custo do ciclo de vida. 

 

Hierarchical Asset Structure 

Em relação aos ativos físicos, hierarquia é a relação entre o nível mais alto de equipamentos, subcomponentes e componentes, detalhados até ao nível em que é possível realizar manutenção. 

O processo de desenvolvimento da Estrutura Hierárquica dos equipamentos permitirá deixa clara a relação pai-filho entre os ativos e esses relacionamentos ajudam a identificar em quais ativos você pode realizar manutenção e que ativos estão ligados a outros. Esse é um grande benefício para a recolhaa de dados e uma análise mais detalhada sobre o desempenho dos ativos para uma tomada de decisão precisa e para melhoria no gerenciamento de ativos. 

 

Análise de Criticidade de Ativos  

Não conhecer a criticidade dos seus activos facilmente resulta em desperdício de tempo e dinheiro. A análise de criticidade é a ferramenta a ser usada se pretender melhorar a fiabilidade e gerir os ativos da sua organização com base no risco e não na percepção. 

Um ranking preciso de criticidade permite: 

  • Identificar os ativos mais críticos - geralmente 10 a 20% 
  • Determinar o processo para determinar a estratégia de manutenção; 
  • Priorizar ordens de serviço; 
  • Fornecer informações para definir processos de escalonamento para reduzir o risco de todos os ativos da planta; 
  • Tomar melhores decisões na gestão do risco; 
  • Otimizar os custos de manutenção, concentrando-se nos ativos mais críticos; 
  • Prioridade para substituição de um ativo. 

A avaliação da criticidade fornece benefícios multifuncionais para todas as áreas da organização:  

  • Agrega valor às operações em termos de paragens e gestão das ordens de trabalho; Qualidade, Conformidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança  
  • Identifica as prioridades para o planeamento das actividades de manutenção e projecto 
  • Melhora a tomada de decisão com base nos custos e orçamento futuro. 

 

O que é análise da condição dos ativos? 

A condição do ativo é uma medida da integridade de um ativo. A Condição do Ativo é um parâmetro chave na determinação da vida útil restante e pode ser usada para prever quanto tempo será necessário para que um ativo precise ser reparado, renovado ou substituído. A condição do ativo também é um indicador de quão bem ele é capaz de executar sua função. 

A avaliação do status do ciclo de vida do ativo com base em dados de condição e fiabilidade, com uma abordagem científica e dados integrados, apoiará a revisão do programa de fiabilidade, contribuindo para a redução dos custos de gerenciamento de ativos e mitigação do risco do negócio.. 

 

Quais são as melhores práticas na definição da estratégia de manutenção? 

Estratégia de manutenção é um processo de decisão que deve ser baseado em ferramentas RCM / FMECA, que irá garantir a abordagem de manutenção mais eficaz para garantir que seus ativos sejam capazes de operar de acordo com sua função, quando necessário com o menor risco e custo. 

Assim, a equipa decidirá, com base na avaliação de riscos, informações disponíveis e objetivos estabelecidos pela organização, que atividades podem aumentar a fiabilidade, a produtividade e a eficácia geral do equipamento (OEE) e reduzir a falha. 

Infelizmente, algumas organizações esperam até que um componente falhe antes de tomar medidas para repará-lo ou substituí-lo. Todos os ativos exigem manutenção periódica para continuar a funcionar de forma eficiente. Encontrar o equilíbrio adequado das abordagens de manutenção é fundamental para minimizar o tempo de inatividade dos ativos e reparar os custos, mantendo um ambiente seguro para os funcionários. 

Existem três tipos básicos de estratégias de manutenção: 

  • Manutenção preventiva 
    A manutenção preventiva é a manutenção que ocorre antes que algo avarie. É uma abordagem baseada em tempo ou baseada em contagem de medidores que é realizada em intervalos predeterminados para reduzir o risco de falha ou a degradação do desempenho dos ativos. O objetivo da manutenção preventiva é minimizar o tempo de inatividade não planeado e reduzir os custos de reparação. A manutenção preventiva nem sempre pode impedir as avarias. Trabalhos realizados regularmente Reparação, substituição, inspeção, limpeza e lubrificação.
      
  • Manutenção Reativa 
    A manutenção reativa, também conhecida como a estratégia de execução para falha ou de operação para falha, é quando é realizada a intervenção depois do equipamento falhar ou quando a sua função se está a degradar. Esta abordagem pode parecer mais barata, mas a longo prazo irá gastar mais, a não ser que faça parte de uma estratégia de manutenção. Quando a organização está em modo de manutenção reativa, a maioria de suas atividades de manutenção diárias é impulsionada por problemas imprevistos. 
     
  • Manutenção preditiva 
    A manutenção preditiva é uma abordagem baseada na condição para manutenção. Em vez de executar os serviços por calendário, é avalada a condição dos componentes para determinar se eles precisam ser inspecionados ou substituídos. A manutenção preditiva deve estar ligada á manutenção preventiva para os melhores resultados. Exemplos de manutenção preditiva incluem análise de óleo, análise térmica e análise de vibração. 

Além dessas 3, existem outras abordagens que permitem que o know-how incorpore o relacionado com falhas técnicas e as mudanças necessárias para melhorar a confiabilidade e a manutenção do ativo, tais como 

  • Manutenção proativa 
    A Manutenção Proativa é a integração da análise RCA, resultados de medição dos dados derivados da manutenção Preditiva e Preventiva. 
     
  • Design out Maintenance  
    Design out são o redesenho / melhoria do ativo executado para melhorar a confiabilidade e a capacidade de manutenção do ativo para manter o ativo tão bom quanto novo. 

Saiba mais sobre

Manutenção e Fiabilidade

saiba mais
Saiba todas as novidades sobre a g3p consulting. Subscreva agora.